Desafio – Fragmentos #1

Eu podia ver em suas pupilas atentas, ela queria morrer. Não agradeceu o favor. Certa vez ouvi alguém dizer “não importa o que faça, faça com prazer”. Este é meu trabalho agora. Gosto de matar pessoas porque me diverte ao mesmo tempo que lhes proporciono uma passagem digna. Transformei mais uma larva em borboleta e a eximi de todos os medos e sentimentos sórdidos.

Despi e limpei o cadáver. Fiquei algum tempo admirando seu corpo alvo. Nunca havia matado alguém tão bonita e tão importante. Poderia dizer que essa tenha sido minha obra prima, mas não. Ela é apenas o prólogo de um romance que não tem prazo para terminar. Compreendi meu papel neste mundo, do qual eu já não queria fazer parte. Não posso partir sem deixar o meu legado.

Brincando com arma do crime, decidi que faltava algo. Então usei a faca para escrever em suas costas “Liberdade”. Não fiquei contente. Além do que, é muito trabalhoso, não voltarei a fazer isso. Uma assinatura me deixou satisfeito. “Sº” é o lado Yin que eu quero trazer para essa sociedade que busca a luz. Afinal, o que é a razão senão fragmentos de loucura?

A vida é um jogo onde temos apenas uma chance para perder e nenhuma para ganhar. Quero ver onde eu posso chegar, quero desafiar a quem possa me superar. Meu nickname é Yinner. Vamos jogar?

#Yinner

Texto publicado originalmente na página Fragmentos de Loucura: https://t.co/X3vNSAvs