A lenda da garota que não tinha medo de ser feliz

Reza a lenda que o seguinte caso ocorreu em Muriaé – MG. Uma bela moça, de família conceituada e rica, fazendeiros locais, se apaixonara por um sujeito negro e pobre, que pediu sua mão, como era de costume, ao progenitor. Embora fosse um homem justo e fizesse gosto pelo rapaz, temendo pela reputação da filha, não concedeu. Ela relutou, mas acabou aceitando a decisão com uma condição: queria um garrote, o mais pretinho que houvesse por aquelas bandas e que fosse domado. O pai não entendeu, mas acatou, feliz pela mudança de interesse da menina.

Semanas depois, ela recebeu o animal tal qual solicitara. Amarrou uma corda em seu pescoço, levou-o até a cidade, passeando por todas ruas do lugarejo. As pessoas saiam de casa e das lojas a olhar e comentar a estranha cena. Durante todo o dia não se falava de outra coisa e, no seguinte, ela fez o mesmo, chamando igual atenção. Repetia o trajeto todos os dias, em silêncio, sem dizer a ninguém porque o fazia e comovia o povo cada vez menos. Até que, na outra semana, ninguém mais se importava com aquilo.

Foi quando interpelou novamente “viste, meu pai, alguém se incomoda com tudo que lhe parece impróprio, até acostumar-se com a ideia”. Foi convencido pela astúcia da filha e o casamento ocorreu com toda pompa. Se foram felizes? Essa parte da estória não me contaram.