Desjejum

Bom dia, amor.

Dormiste enquanto eu estava no banho e agora te vejo toda torta na cama. Te disse que não precisa tentar me esperar, mas acho lindo que o faça. Não vou te despertar, são quase duas da manhã e levantaremos às 7, então te escrevo. Essa rotina de trabalhar, viajar, estudar, viajar, dormir só vale a pena pelo carinho dos teus lábios todos os dias pela janela quando me vou e me recebendo à porta quando chego e otras cositas más.

Sempre queres saber do meu dia, não deixarei este débito em atraso, embora não tenha muito o que dizer: alguns clientes chatos, dois professores desestimulantes e um bom tempo de espera ao ônibus. Pelo menos pude cochilar, o que tem se tornado frequente e automático. Me conta sobre o seu na hora do almoço?

Alguma coisa eu sei! Vi que legendaste novos episódios do teu animé favorito para assistirmos juntos. Vamos ver um filme à noite? Deixei aberto o site do cinema, vai dando uma olhada e decidimos quando eu voltar. Se preferir, pedimos comida e vemos alguns dos DVDs antigos. Pelo menos não vou estragar nenhum final que você já não conheça.

Bom, agora vou deitar ao teu lado, fazer as vezes de Morfeu. Logo vamos nos acordar, nos amar,  nos atrasar e você vai correr para disfarçar tua beleza na caixa de maquiagem. Enquanto acha esta carta, lê e começa a rir bobamente, estou na cozinha terminando o café e te esperando para mais uns beijos.

Te amo. Vem logo!