Semaninha

Domingo

– Oi, meu amor! Estava com saudades.

– Oi, bombom. Eu também estava!

– Só chamei para dizer um “oi” mesmo, tenho que dormir.

– Tão cedo?

– É, amanhã acordo cedo…

– Tá bom.

Segunda

– Oi, bombom. Sonhei contigo!

– O que sonhou?

– Foi meio louco.

– Entendi.

– Tô com vontade de te mimar hoje!

– Tá bom.

Terça

– Hummmmmm.

– Que foi?

– Nada.

– Tem certeza?

– Foi boa a conversa com a sua amiguinha?

– Ah, bombom! Nem falei com ela direito.

– Tá bom.

Quarta

– O que foi aquilo?

– Desculpa…

– Ciúmes?

– Não tenho ciúmes dele.

– O que foi aquilo, então?

– Não vai voltar a acontecer.

– Você tem que entender que…

– Ok, foi ciúmes.

– Tá bom.

Quinta

– Precisamos ter uma longa conversa.

– Quer café, bombom?

– Acho melhor a gente se afastar.

– Tá bom.

– Tá bom.

Sexta

– Foi fácil, né?

– O que foi fácil?

– Dizer “tá bom”, sem nem perguntar o motivo…

– Me pareceu óbvio.

– Fiquei triste porque você nem se importou.

– É isso que você pensa?

– É isso que você me passou.

– Eu – um minuto – não sei explicar.

– Tá bom.

Sábado

“Bom dia, bombom.

Escrevo esse bilhetinho só para dizer que sentirei sua falta. Não quero te fazer refém das milhares de palavras que fazem fila para sair da minha boca sempre que estou contigo. Não falta paixão, apenas vivo ainda meu próprio cativeiro. Eu confio nos teus motivos. Te quero muito bem, tá bom?”