Entre mim e você

Estávamos num sofá, assistindo TV, a pequena brincando no chão e nós discutindo quem deveria sair do BBB. Eu adoro essa cara de brava que faz quando discordam de você e as vezes discordo só para ver. Sem medo do perigo e nem tenho um porquê ter. A sala se transforma num salão, te levantas e me puxa, faz soar um música e o mundo inteiro é um cômodo branco com janelas grandes, um céu infinito e teu sorriso.

Te olho os olhos, enquanto dança forró em volta de um eu quase estático. E, como não aguento seu embalo, te embalo nos meus braços e nos perdemos num abraço eterno de um minuto. Um silêncio que corta do nada para dizer tudo. Não me acha mais idiota, nem grita, é um doce. Desperto, um até logo que poderia ser menos precoce.

Um sonho que não faria mal algum em ser realidade. Momentos simples, complexa felicidade. Um café que fosse gostoso para todos, um pouco de fé, um monte de biscoitos. Comida que não engordasse. Há coisas entre mim e você que ninguém vai entender, muito menos a gente. Talvez quando sejamos velhos jovens e deixemos de ser jovens velhos. Quando todas as encruzilhadas já tiverem placas. Só nós, sem pessoas, sem espelhos.